Um tributo a Cacheira, craque do Leixões e do Varzim

Os 20 melhores golos de sempre e um é do CR7 ao FC Porto
27/12/2017
FC Porto acaba o ano também como campeão do Facebook
28/12/2017

Um tributo a Cacheira, craque do Leixões e do Varzim

O Carlos André é um varzinista de alma e coração e é da sua autoria este belo texto sobre Carlos Cacheira, um dos “bebés do Leixões” que se transformou numa referência de outro clube de pescadores, o Varzim.
Um matosinhense que se radicou na Póvoa do Mar e que há mais de três décadas se dedicou ao Varzim de “alma e coração”.
Foi pela mão do treinador António Teixeira, na época de 1975/76, quando o Varzim, na II Divisão Nacional, beneficiou da primeira liberdade na transferência a custo zero dos jogadores profissionais de futebol, que o defesa direito Cacheira, entre outros, deixou o “berço” dos “Bebés do Leixões” para ingressar na equipa varzinista e contribuir para relançar o nome do clube poveiro na alta-roda do futebol português. Depois, sempre com a equipa na I Divisão Nacional e com António Teixeira no comando técnico, Cacheira manteve-se na equipa do Varzim durante cinco épocas, até 1979/80. Saiu com o treinador, na época seguinte, para o Boavista (duas épocas) passando depois pelo Marítimo e outros clubes.
O cidadão António Rodrigues Cacheira, nascido em Matosinhos em 2 de Abril de 1952, foi pela mão de outro conterrâneo seu, Henrique Calisto, que regressou ao Varzim, na época de 1986/87, como observador desse treinador que tão bem deixou gravado o seu nome ao clube poveiro. O seu trabalho agradou e na época seguinte exerceu o cargo de treinador adjunto.
Jamais o nome de António Cacheira deixou de andar arredado do Varzim,quer fazendo parte integrante de equipas técnicas principais, quer como treinador das camadas jovens. E foi neste sector que o homem nascido em terra de pescadores mais se evidenciou ao serviço de outro clube também ligado ao mar, neste caso ao Varzim.
A sua grande obra no sector juvenil varzinista não tem comparação possível com o próprio passado do clube. Sempre dentro de uma humildade admirável viu crescer a seu lado miúdos que se transformaram em graúdos e até gigantes para o futebol nacional e internacional, como há exemplos flagrantes por aí fora, sem ser necessário recordar nomes que estiveram ou continuam a estar na ribalta futebolística, com passagem pela equipa principal do clube que os lançou para o futebol.
Cacheira.jpg
Mas não são apenas os jogadores que subiram ao estrelato que fazem parte dos lotes moldados, durante décadas, pelas mãos do treinador, pai e conselheiro António Cacheira. O que não pode deixar despercebido a quem, com uma humildade de todo o tamanho, transmitiu o seu sentimento em palavras numa entrevista publicada no jornal O VARZIM de 23 de Outubro de 2010.
“É bonito ser reconhecido pela entidade patronal e pelas pessoas ligadas ao clube, mas costumo dizer que o mais importante é ser reconhecido pelos miúdos que passaram por mim. Esse é o meu verdadeiro motivo de orgulho. Eles não se esquecem de mim, casam e convidam-me. Independentemente de terem jogado regularmente ou não, todos têm consideração e carinho por mim. Tenho muito orgulho nisso. Nesse aspecto estou cheio de medalhas, já nem cabem na minha sala de troféus”.

Claro que quem anda no futebol quer sempre mais alguma coisa, mas eu, sinceramente, não ando atrás disso. O que quero é estar no sítio em que estou

Palavras plenas de simplicidade, proferidas há cerca de quatro anos e que continuam a ser reais na vida actual de um homem que mereceu com toda a justiça o Trofeu Lobos do Mar, atribuído pela Direcção do Varzim em 2012, e que tão bem encarna esse nome, já que foi junto ao mar (de Matosinhos) que nasceu para a vida, e junto ao mar (da Póvoa de Varzim) que constituiu família e deixar espalhadas muitas famílias de futebolistas, cujas lições aprendidas em crianças serviram de alicerce para crescerem na vida.
“Já treinei os iniciados, juvenis e juniores. Não estou a dizer que me tenha dado mal, mas na verdade é que o lugar mais importante na Formação é este que ocupo nos escalões mais jovens. Claro que quem anda no futebol quer sempre mais alguma coisa, mas eu, sinceramente, não ando atrás disso. O que quero é estar no sítio que estou e sentir-me bem, porque considero o meu trabalho útil para o desenvolvimento dos miúdos, como jogadores e como homens. Por outro lado estou aqui para servir o Varzim e sigo o rumo natural das coisas. O que me move é fazer com que os miúdos evoluem cada vez mais para terem uma base sólida nos escalões seguintes”.
Foram também palavras proferidas há cerca de quatro anos que continuam tão actuais como é a actividade de António Cacheira ao serviço do clube poveiro, a merecer, indiscutivelmente, a homenagem pública promovida pelo blogue “Lobos do Mar” como reconhecimento pelos mais de 30 anos de dedicação ao Sector Juvenil do Varzim.
Depois de ser tornado público o afastamento do mister António Cacheira do nosso clube seria imperdoável não deixar aqui uma mensagem de agradecimento por tudo o que o próprio fez pelo nosso clube ao longo de mais de três décadas, como jogador e como treinador, de alma e coração.
Aquando a homenagem realizada há dois anos pelo site lobosdomar.pt, partilhei acima o texto lido na cerimónia.
Obrigado por tudo mister Cacheira!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *