Rui Malheiro explica finalmente o entrelinhamento de Freitas Lobo

Elas aí estão, as cheerleaders do Leixões
12/03/2017
Rui Vitória com problemas no retrovisor
12/03/2017

Rui Malheiro explica finalmente o entrelinhamento de Freitas Lobo

C6vELQ7WoAYzp59
O futebol da periodização tática, cujo guru dá pelo nome de Vítor Frade, é um facto que não podemos sacudir por muito que isso nos cause urticária. Tal como o jogo em si, a linguagem do comentário ao jogo também evolui e ai de quem não conseguir acompanhar esse progresso. Primeiro estranhamos e agora vamos entranhando (e quem entranha, digere) jargões como “entre linhas”, “ataque rápido” e “blocos altos”, só para citar os mais simples.
Rui Malheiro é o nosso Luís Freitas Lobo Júnior em versão pop rock. Gostamos de ambos embora nem sempre concordemos com a ousadia libertina de aprofundar o que se explica com alguma simplicidade. Mas no fim acabamos sempre a tentar decifrar a charada, como um velhinho que todos os dias se senta num banco de jardim e tenta sem sucesso fazer as palavras cruzadas (estava na hora de fazer uma grelha com o novo futebolês, o que se aplica ao chamado futebol vertical e horizontal).
Nas páginas de Record, o Rui “malha” com insistência. Lamentavelmente no papel perde-se sempre um pouco da sua arte final Aqui na net é bem melhor e por isso é que estamos a tratar do assunto. Isto até parece o melhor subuteo da minha juventude…
Estou à espera do dia em que terei frente a frente, finalmente, o criador e a criação, ou seja, o Luís e o Rui. Não será um combate muito emotivo mas será certamente um momento muito zen e é disso que mais precisamos quando todos os dias somos confrontados com notícias de banqueiros que se riem na nossa cara e de políticos de pacotilha que mais não querem se não perpetuaram-se nos seus areópagos. Mas isso são outros quinhentinhos.
O que seria do nosso futebol sem o Luís e o Rui? Bem, ainda sobrava o Carlos Daniel. Mas já não conseguimos viver sem eles. Falo por mim, que nada percebo de periodização tática nem da dissecação de marsupiais e que continuo sem saber como uma transição não é a morte de qualquer artista. Mas atenção: sei muito bem o que é estar entre linhas pois entre o 8.º e o 10.º ano fui craque nos matraquilhos.
                                                                                                                                                             E.Q.
 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *