Jesus pode não morrer nesta cuz

O penálti que abriu o marcador no Leixões-Benfica
02/04/2018
Um obrigado de Luís Silva ao André Ferreira ‘Sem Braços’
02/04/2018

Jesus pode não morrer nesta cuz

Em véspera da ressurreição, Jorge Jesus começou o subir ao seu calvário ao sair da cidade dos arcebispos, que vivia a sua semana santa, com uma derrota. O título que se tinha dado por perdido e que tinha reaparecido na forma de luzinha a brilhar ao fundo do túnel…agora é que já se foi mesmo, a não ser que circunstâncias absolutamente extraordinários tornem mentira o que hoje é verdade.

Na condição de treinador português em exercício com mais títulos nacionais, todos somados ao serviço do Benfica, Jorge Jesus corre o risco de ter mais uma época, a terceira, em branco. Ok, já venceu a Taça da Liga este ano mas este troféu é apenas um acepipe no cardápio da temporada.

O que falhou desta vez no Sporting de Jorge Jesus?

Nos 50 jogos disputados esta época, o Sporting conseguiu 30 vitórias, empatou 12 vezes e só perdeu 8 dessas partidas, tendo marcado 95 golos e sofrido 40.

Os números aparentemente são bons mas vistos à lupa percebe-se logo que faltou aquele bocadinho assim.

Nos primeiros dez jogos que disputou, o Sporting venceu nove e apenas empatou com o Steaua de Bucareste.

O primeiro momento de fraqueza surgiu logo a seguir, nas jornadas 7 e 8, com um empate na casa do Moreirense e outra igualdade em Alvalade frente ao FC Porto. Os triunfos que se seguiram, sobre Rio Ave e Chaves, ajudaram a reanimar mas eis que o Sp.Braga surgiu pela primeira vez no caminho dos leões, logrando empatar a duas bolas em Alvalade.

Demasiado dependente de Gelson e de Bas Dost, o Sporting começou a sofrer e sabe-se como é duro avançar em sofrimento. A derrota no Estoril, na 21.ª jornada, foi um golpe profundo. A que se seguiram três vitórias milagrosas frente a Feirense, Tondela e Moreirense. A derrota, imerecida, no Dragão acabou quase com tudo.

Ainda falta ao Sporting o desafio de voltar a defrontar o Benfica. Mas neste momento sob a perspetiva de poder roubar ao Benfica um título para entregar ao FC Porto. Só mesmo os sportinguistas mais empedernidos se contentarão com isto.

Sobra a Taça de Portugal e a Liga Europa. Não é pouco, pode dar para compor. Sucesso integral nestas duas provas irá apaziguar tudo.

É neste desiderato que hoje se sustenta o projeto de Jorge Jesus no Sporting. Exposto ao mínimo abanão que pode fazer tudo desmoronar.

Mas Jesus também já nos habituou a impossíveis embora o impossível nunca tenha estado guardado no bolso de Bruno de Carvalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *