Fábrica portuguesa de treinadores campeã também a triturar…treinadores

Leixões quer terceira vitória consecutiva nos Açores [vídeo]
19/04/2017
Exclusivo BnA: Utilização de Gauld e Geraldes pelo Sporting B pode vir a mexer com toda a 2.ª Liga
19/04/2017

domingos
Portugal é uma fábrica de treinadores para o Mundo mas é também uma fábrica de triturar treinadores a nível interno. Repare-se, com a troca de Quim Machado por Domingos Paciência, no Belenenses, a Liga 2016/17 passou de pior dos últimos 8 anos a este nível para pior da última década e meia.
Contas feitas, quase um terço (5 em 18) dos clubes da Liga NOS já mudaram duas vezes de treinadores e ainda há um mês de competição pela frente!
Confirma-se, por isso, a perceção. Esta temporada ficou a pior depois de uma melhoria sustentada nas últimas temporadas. Vejamos como foi,
MUDANÇAS DE TREINADOR ÉPOCA A ÉPOCA DESDE 2003
16/17: 18 (até à jornada 29)
15/16: 9 
14/15: 8
13/14: 9
12/13: 10
11/12: 13
10/11: 13
09/10: 18
08/09:  8
 07/08: 10
 06/07: 12
 05/06: 14
 04/05: 14
 03/04:  6
Estamos, por isso, a viver uma época de tantas ‘chicotadas’, em completa contracorrente com o que se passava nas quatro temporadas anteriores (entre 8 e 10) e na tendência descendente que se verificava desde 2009. Na última década e meia, só em seis épocas houve mais de dez mudanças de treinador (a última tinha sido em 2011/12). Estes 17 (15 deles chicotadas) de 16/17 invertem ciclo positivo que parecia sólido nas quatro temporadas anteriores, sempre abaixo das mudanças por época.


Eis a lista de ‘decapitações’:
 TREINADORES DESPEDIDOS EM 16/17 LIGA NOS
 – Paulo César Gusmão, Marítimo
 – Julio Velasquez, Belenenses
 – Erwin Sanchez, Boavista
 – Nuno Capucho, Rio Ave
 – Pepa, Moreirense
 – Carlos Pinto, Paços
 – Fabiano Soares, Estoril
 – José Peseiro, Braga
 – José Mota, Feirense
 – Manuel Machado, Nacional
 – Petit, Tondela
 – Estoril, Pedro Carmona
 – Augusto Inácio, Moreirense
 – Predrag Jokanovic, Nacional
 – Manuel Machado, Arouca
 – Quim Machado, Belenenses
Duas destas saídas ficaram a dever-se a iniciativas próprias (Jorge Simão e Lito Vidigal), numa época em que cinco clubes já mudaram duas vezes de treinador: Moreirense (Pepa, Augusto Inácio e Petit), Nacional (Manuel Machado, Jokanovic e João de Deus), Arouca (Lito Vidigal, Manuel Machado e Jorge Leitão), Estoril (Fabiano Soares, Pedro Carmona e Pedro Emanuel) e Belenenses (Julio Velazquez, Quim Machado e Domingos). Neste grupo estão os quatro piores classificados da Liga NOS mais o 7.º a contar do fim (Belenenses).
A singularidade desta época passa ainda pelo facto de quatro treinadores terem orientado duas equipas: Petit (Tondela e Moreirense), Manuel Machado (Nacional e Arouca), Pepa (Moreirense e Tondela) e Jorge Simão (Chaves e Braga).
Só 5 dos 18 clubes da Liga NOS mantêm os treinadores que arrancaram o campeonato: Benfica, FC Porto, Sporting, V.Guimarães e V. Setúbal. Todos eles treinadores portugueses!
A reter
— Em itália e na Inglaterra, a maioria da segunda metade da tabela mantém treinador do início da época
 – Em apenas quatro meses, ao fim da jornada 15, mais de meia Liga já tinha despedido treinadores
PORTUGAL TEM A LIGA COM MAIS DESPEDIMENTOS DE TREINADORES NA EUROPA MAIS COMPETITIVA EM 2016/2017:
 Alemanha: 11
 Espanha: 11
 Itália: 11 (Palermo já vai no quinto técnico da época, 12 despedimentos no último ano e meio!)
 França: 9
 Inglaterra: 7 (Ranieri no Leicester, que tinha sido campeão; Karanka no Middlesbrough, q tinha subido; Francesco Guidolin no Swansea; Mike Phelan no Hull City; Bob Bradley no Swansea; Alan Pardew, Crystal Palace) 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *