Barcelona ainda tem de superar Leixões

Reensamblado
08/03/2017
Erro 555 para Arsène Wenger
09/03/2017

Barcelona ainda tem de superar Leixões


Um texto de Joaquim Queirós, antigo diretor de A Gazeta dos Desportos e de O Comércio do Porto, sobre outra remontada histórica:
Já lá vão 56 anos que o glorioso Leixões conseguiu um feito, que só agora o super-super Barcelona conseguiu quase igualar. A rapaziada da equipa do Campo de Santana, num ano em que o guarda-redes Rosas estava na lista do seleccionador nacional, foi jogar a La Chaux-de-Fond, na Suiça. Noite de chuva miúda e o treinador Nelson Filpo Nuñez recomendou ao seu guarda-redes que não tentasse agarrar nenhuma bola, mas sim socar. Mas o Zé, às portas da Selecção Nacional, é que sabia e toca a querer agarrar o esférico e este a escorregar para dentro das balizas. Resultado: derrota por 6-2. Foi festa rija no país dos esquiadores e a viagem leixonense para Portugal parecia um funeral.

“…que o descalabro tinha tido origem nuns ovos que haviam comido no hotel. O que eles comeram foi cinco golos e regressaram a casa gelados”


Os suiços chegaram a Matosinhos todos impantes, alojaram-se no Hotel Porto Mar e fomos com o saudoso Armando Correia mostrar o campo de Santana ao técnico visitante. Este, quando chegou, cumprimentou o senhor Alberto e caminhou em frente. Olhou para o terreno de jogo e perguntou se era ali que ia treinar. Teve como resposta; treinar, sim senhor, e jogar. O técnico barafustou e não atinava em fazer-se entender. A verdade é que jogou e…perdeu, levando 5-0 do “Lexóés”, como barafustava no final, lendo-se, dias mais tarde, num jornal helvético que o descalabro tinha tido origem nuns ovos que haviam comido no hotel… O que eles comeram foi cinco golos e regressaram a casa gelados.
E durante todos estes anos não houve uma remontada igual.
Agora o Barcelona, frente Paris Saint Germain, também recuperou de quatro golos, mas o Leixões ainda continua na frente, pois a elimatória em que o Leixões tomou parte teve 13 golos, enquanto os catalães teve 11.
Ainda vamos à frente!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *